Expressões proibidas no… coiso!

Caros distribuidores de panfletos, produtores de filmes selvagens, fabricantes de patins em linha e homens no geral que usam o cotão que encontram no umbigo para substituir as acendalhas da lareira.
Há já muito tempo que o Sr. Drácuécalo não atingia a realidade no estômago como um canhão. Mas isto porque tem andado ocupado a estudar a melhor maneira de não fazer nada. E até agora está a ser um sucesso ao nível de um mestrado integrado em aerodinâmica de máquinas de lavar roupa.
Mas esquecendo o passado e cingindo-nos ao presente perguntarão qual é o motivo desta mordidela… Pois bem haverá alguma coisa mais extraordinária de analisar do que os vários discursos que exaltam da boca do ser feminino durante um encontro mais fugaz? Se não compreendem onde o assassino de foles de lareira quer chegar é melhor ignorarem o resto do post! Foi necessária uma árdua, extenuante e entusiasman… quer dizer, terrivelmente enfadonha pesquisa em vários sites que alojam peças cinematográficas (dignas de qualquer programa BBC vida selvagem de domingo de manhã) e em várias revistas de credibilidade duvidosa para a realização desta tese. E o assunto é mais sério do que se possa julgar porque a existência da humanidade está em risco! O homem está cada vez menos interessado em praticar a multiplicação gâmetar!!! Acham que não? Então vejam este Top 5 sobre o que as mulheres mais dizem durante a fase mais crucial da coisa:

5 – Em quinto lugar vem o famoso “Ai”. Uma coisa é um “Ai”… outra bem diferente é uns conjunto de 300 “Ai” seguidos em que o homem começa a pensar se estará no meio de um filme do Silvester Stalone com centenas de feridos mutilados à volta…

4 – Não menos desexcitante, chega em 4º lugar o par homógrafo do número 5! A expressão: “Aí”. Vamos exemplificar a situação: … “Aí, aí, aí”!!!! Mas “aí” onde?! Não estou lá já? Se sim é porque estou a fazer as coisas como deve ser, não preciso de um arrumador de carros… Se não, essa não é a expressão adequada… Devia ser proibido juntar as letras A e I durante a prosperação da descendência!

3 – Já no pódio vem o inimigo número 3 do homem: “Vai”… Lá estão o A e o I novamente! “Vai… vai… vai…” Mas vai onde caramba? E tem que ser logo agora? Não pode esperar mais 10 minutos?

2 – Quase a chegar ao primeiro lugar estão as alusões aos episódios da vida quotidiana que se seguirão na posteridade! Ou seja, está o casal no início do fabrico de gotículas de sudorese quando de repente a mulher exalta: “- Não nos podemos esquecer de trazer courgette do supermercado logo!” Pronto, caldo entornado… Pois para quem não sabe a courgette é um legume com a forma de pepino… Coisa que não cai bem a nenhum homem!

1 – Em primeiro lugar vem o velhíssimo e extraordinário apelo à religião! O “Ai meu Deus” ocupa já um lugar cimentado na vida intima de qualquer senhora que se preza. Se os homens perguntarem ao Sr. Drácuécalo qual a resposta mais pertinente a dar a uma mulher que comece com tal expressão, essa será sem dúvida: “- Querida, já te disse que quando estamos só os dois podes chamar-me bebé…”

Ps: Este post foi escrito por um ser assexuado de origem desconhecida que nunca teve contacto com nenhum tipo de intimidade. O Sr. Drácuécalo esclarece que tem muita pena do ser em questão. Pode causar borbulhas nas virilhas. Ler após tomar 2 comprimidos de um anti-histamínico qualquer. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas consulte o seu médico ou farmacêutico.

A mulher “foca”…

Caros  observadores de cometas, reparadores de frigideiras, homens com mais de 3 anos que sabem quem é o pokoyo e pessoas no geral que acham que os vampiros existem, mas só na zona da mata do Canidelo.

A relação interpessoal homem-mulher é desde sempre assunto da maior atenção por parte de toda a humanidade e assim sendo, porque não elaborar um post sobre o sucedido? Talvez mais importante do que a escrita real que se apresenta seja a lição que o homem Português vai retirar das próximas linhas! Sim, porque este post pretende analisar a mulher aquando da realização de carícias extra-auto-corpóreas!

Numa recente sondagem elaborada pelo Sr. Drácuécalo, mestre da realidade, e publicada num pedaço de papel junto ao seu computador, foi apurada a existência de 3 grupos distintos de mulher quando estão numa relação com um homem. Esta diferenciação tem como base a sua agressividade e instintos de sobrevivência, ou seja. Por ordem decrescente de impetuosidade animal, temos:

1 – A mulher “1,2,3”! Porquê mulher “1,2,3” perguntam vocês? Porque tal como o electrodoméstico homónimo da moulinex, ela faz em picadinho qualquer tipo de homem, por muito pelo que tenha no umbigo. Na verdade, esta mulher anda dissimulada no seu dia-a-dia pois está classificada como altamente perigosa e localiza-se em termos de ferocidade entre o rotweiller e o caniche dentes de sabre!

2 – A generalidade das pessoas conhece esta mulher como a mulher “delicia do mar”. Nem é carne, nem é peixe. É geralmente redonda e vermelha devido a uma exposição prolongada no solário. No entanto podem ouvir chamá-las por outras nóminas como mulher “galheteiro” porque tem sal q.b. mas é exagerada no vinagre. O Sr. Drácuécalo prefere chamar-lhe a mulher “lambreta”. Porquê mulher “lambreta”? Simples, toda a gente acha que  não é uma mota, mas quando chega a hora toda a gente anda naquilo! Agora mais a sério, já há tanta lambreta hoje em dia que as próprias motas sofrem por causa do trânsito.

3 – A mulher mais branda, insossa e inútil na relação coisa-coiso é a mulher “foca”. A explicação para este nome exige alguma vizualização, pelo que fechem os olhos e imaginem o cenário: uma mulher que, quando está com um homem, se despe rapidamente, se deita no sei leito (ou outra localização geográfica à escolha), origina um ângulo obtuso com os membros inferiores e coloca as mãos junto ao peito com vergonha enquanto aguarda que o homem “execute o trabalho para o qual está destinado”… Conseguiram visualizar? Agora visualizem interiormente uma foca deitada de costas num qualquer zoomarine ou afins… Compreendido?!

P.s: Este post vai ser utilizado no fabrico de vinho do porto. O Sr. Drácuécalo quer dar os parabéns a todos os leitores que fecharam realmente os olhos durante a leitura do post para imaginar a mulher “foca” e procura sócios para abrir uma mercearia especializada na venda de abacate. Ler com uma dose moderada de paciência. Pode provocar sensibilidade dentária. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas consulte o seu médico ou farmacêutico.