Não metas isso na boca porque é de noite…

 

Caros comedores de cogumelos venenosos, utilizadores de foguetões, pessoas no geral que acham que na Serra da Estrela as pessoas urinam granizados e homens em particular que acham que o ballet é um desporto colectivo que devia passar na sport tv.

O Sr. Drácuécalo, na sua fugaz análise da sociedade em busca de algo que possa criticar e que lhe deixe um hálito de menta fresca, deparou-se com um mito social extremamente curioso e digno de análise. Algures do submundo foram lançadas certas crenças relacionadas com os hábitos alimentares dos Portugueses e que são hoje tidas como verdades absolutas por muitos. O Sr. Drácuécalo acredita plenamente que tal se deve à falta de conhecimento geral sobre o corpo humano, senão vejamos a seguinte teoria:

“Não se pode comer laranjas à noite”

Esta frase é uma pérola na educação de qualquer ser com pelo menos um pulmão… Mas vamos analisá-la à luz da sapiência actual: hmm… Dentro do estômago não há luz pois não? E nenhum de vocês engoliu por acidente um candeeiro de sala, daqueles que têm abajour e tudo ou uma lâmpada de poupança? E quando vão à casa de banho, aquilo que vos deixa para sempre não sai com uma lanterna pois não? Então como é que o estômago sabe se é de dia ou se é de noite?!

Um outro caso é a velha teoria de não se poder comer isto ou aquilo depois de uma refeição. A pergunta que se levanta é simples: será que o estômago tem aquelas senhas de espera que há na charcutaria do supermercado? Ou então gavetas para alojar os alimentos por ordem de chegada?

Aquilo fica uma papa lá dentro!!!!! Nem interessa se começaram a refeição pela sopa ou pelo fillet mignon avec du ananás! Comam, sejam felizes… Mas sobretudo bebam. 

 

Ps: Este post foi escrito após a consulta de um livro de culinária para zombies. As sugestões do menu não incluem batata frita. O Sr. Drácuécalo não é o co-autor da música de abertura do telejornal nem tão pouco consegue tocar flauta de beiços com as beiças e gostaria de deixar escrito que beiça é uma palavra esquesita e pouco frequentemente utilizada. Pode provocar pânico a ursos. Em caso de persistência dos sintomas consulte o seu médico ou farmacêutico.

 

Ruídos durante as refeições…

Caros  dirigentes de clubes de matrecos, utilizadores de cera fria, homens sem pelos nas virilhas e pessoas no geral que, de facto, pagam as SCUTS.

Enquanto o Sr. Drácuécalo aguarda os resultados da votação sobre a próxima descida à realidade, perdeu cerca de 7 minutos  (espaço de tempo que demorou na casa de banho) e rabiscou este post sobre uma mania que o ser português tem e que é extremamente irritante: os escapes canalizatórios à superfície dos diversos orgãos interiores, durante as refeições! Trocando por focas: Pessoas que fazem barulhos enquanto estão a comer. O Sr. Drácuécalo decidiu basear a escrita deste post em testemunhos reais vividos pelo próprio, pelo que se sujeitou a várias refeições ruidosas, chegando à conclusão de que é possível distinguir estes ruídos em várias categorias:

1 – Pessoas que “sorvem” a sopa… Haverá alguma coisa mais incomodativa do que estarmos a comer a nossa sopinha de requeijão com amoras e um desconhecido da mesa do lado começar a “sorvê-la”?!? Slllleeeerrrpttttt…!!!!! Isso não está quente! E se estiver sopra, qual é a necessidade de imitar uma gaita de foles com o fole furado?

2 – Pessoas que eruptam ar (o Sr. Drácuécalo achou que dizer arrotar num post era muito pesado). Lá estamos nós, já no prato principal e de repente ouvimos um: “Buuurrrrp” seguido de um “- Com licença”! Ora, temos que fazer aqui uma pausa para analisar vários aspectos: em primeiro lugar, um ruido tão grave e longo só pode vir lá de baixo do tornozelo (queremos pensar nós para evitar pensar na tal eruptação), a questão passa a ser: porque é que o tornozelo se queixou durante a refeição… Estava quase a esquecer-me do assunto quando ouço o pedido de licença!!!! Licença para quê? Para arrotares? Agora? E mais, se eu já estava mesmo na parte final de me auto-convencer que tinha sido um barulho articular, essas palavras voltaram a trazer-me à imagem o teu estômago…

3 – Talvez o Abramovich dos barulhos esquesitos seja algo mais do que um barulho… É um acto! O acto do assoar! Porque carga de água é que alguem escolhe precisamente o meio da refeição para se assoar? “- Mas Sr. Drácuécalo, não se vê nada”… Às vezes não! Outras… Além do mais  todo aquele barulho de nhanha flácida a pingar não é o mais apropriado para quem está prestes a comer mousse de manga…

P.s: Este post tem um interface 3D, basta por os óculos para ver um número de circo com 3 cavalos da Suécia e um anão. O Sr. Drácuécalo não é criador de dragões cuspidores de saliva nem tão pouco consegue parar o metro à cabeçada. Não deve ser lido antes das refeições. Se só chegou agora de ir buscar os óculos 3D escusa de os pôr, era uma piada. Pode provocar hematomas. Em caso de persistência dos sintomas consulte o seu médico ou farmacêutico.