Publicidade sim, mas de jeito!

Caros  trabalhadores de circo, utilizadores de sites que rimam com fotografia, homens que usam desodorizante roll-on e pessoas no geral que acham que a palavra que rima com fotografia não tem necessariamente a ver com conteúdos explícitos.

Muitas foram as criaturas que se questionaram sobre o porquê de um novo post ter demorado tanto tempo a ser composto… Bem, na realidade foi só o reflexo do próprio espelho do Sr. Drácuécalo que o fez e denotava um certo tom de suplica para que não existisse mais nenhum… Pois bem minhas abóboras flamejantes, o Sr. Drácuécalo voltou após ter estado acamado no hospital a dar à luz tetra-gémeos… Claro que isso não teria levado tanto tempo se não fossem uma mistura de T-Rex com o Zé Castelo Branco.

Durante este retiro espiritual, tive a oportunidade de analisar uma temática que tem tanto de interessante como um discurso chileno sobre a foca do mediterrâneo: o conceito de publicidade… Se analisarmos a diferentes marcas dos diferentes produtos vemos que o ser humano não tem qualquer tipo de imaginação na denominação! Pegando, ao acaso, no papel higiénico analisem o mercado: temos a marca “Scottex”, a “Renova” e afins… Alguém tem vontade de comprar papel higiénico com nome de empresa de arquitectura de interiores? Claro que depois precisam daquelas mariquices de papel colorido ou a cheirar a molho de tomate para cativar o consumidor… Curiosamente a única marca que mais tem senso publicitário é a chamada marca branca “é”! E perguntam vocês: “- é?!?!?!” Precisamente, ou é ou não é! Perceberam a comercialidade do nome?

Deste ponto de vista, não faria mais sentido haver uma marca de papel higiénico chamada “limpaki” ou “mousse de abacate cor de cavalo”? O que daria origem aos mais variados slogans tipo: “papel higiénico mousse de abacate cor de cavalo… fica tudo tão bem camuflado que pode voltar a enrolá-lo…”

Evidentemente que quem quisesse também poderia inventar o “limpaki – cieiro” (a maneira mais suave de limpar o ca… o ca bem entenderem…) ou o “limpaki – rotweiller” (que seria o topo da gama em limpeza, mas que vos deixaria a caverna do Aladino a parecer o túnel do Marquês… ainda em obras…)

P.s: Este post foi escrito usando uma escova de dentes. O Sr. Drácuécalo vai desmentir qualquer menção ao nome de José Castelo Branco em qualquer um dos seus posts. Ler como uma dose extraordinária de purificador de ar. Pode provocar rinite. Em caso de persistência dos sintomas consulte o seu médico ou farmacêutico.

Decreto-lei do papel higiénico

Meus caros apreciadores de póneis, campistas de praia, pessoas que têm medo do chuck norris e todas as outras cuja flatulência é tão intensa que pode ser detectada nas redes sociais:

Após tão merecidas férias, o Sr. Dracuécalo volta em força para defender a justiça, dominar o perigo, proteger os indefesos e brincar aos sabres de luz num bar gay africano! Brincadeiras à parte e porque este post tem tanto de útil como de sério, a primeira machadada deste novo ano lectivo deriva de uma situação colorida vivida pelo Sr. Dracuécalo em plenas férias. Quando se fala em colorida é mesmo castanha… senão vejamos:

Qualquer homem normal, que tem a sua rotina, está habituado a exorcisar a comida do almoço na sua casa de banho, a da sua casa, à qual se habituou e que parece mimá-lo com suavidade sempre que precisa de usufruir daquele rolinho de papel ali ao lado da sanita. O problema levanta-se quando esta rotina é quebrada…. Imaginem o Sr. Dracuécalo na praia… pêlo por todos os lados, tal qual orangotango on the toast, acabadinho de ser presenteado com um hamburguer bem gorduroso… e decide comer para a sobremesa um pêssego!!! Meus amigos: O PÊSSEGO ACELERA O TRÂNSITO INTESTINAL!!! (sim, não tarda nada têm que c@£€r!). E puff… já na água começo a sentir suores frios… tromboses nas virilhas e não dá para conter… só há 3 soluções possíveis: fazer na água e provocar uma fuga em massa das alheiras flutuantes, usar as dunas e limpar à areia e a mais civilizada: ir aos banheiros da praia… Saio da água a correr de pernas coladas e quando chego à casa de banho nem pensei: ZáS!

Mais aliviado olhei para a minha direita em busca do papel e onde é que ele está? Aflito, o Sr. Dracuécalo começa indagar se precisará mesmo da t-shirt que tem vestida ou se poderá usá-la com outro fim… Calma minhas caras bocas de incêndio: o papel higiénico estava à esquerda!!!!

Quanto a mim devia haver uma lei que regulamentasse o lado em que o rolo de papel higiénico é colocado numa sanita. Não tem sentido nenhum um ser, numa posição daquelas, andar à procura do rolo!!!! E mais: aposto que já aconteceu convosco que às vezes os rolos são tão mal colocados, que para uma pessoa conseguir usá-lo, tem que fazer poses e torções esquesitas, que aumentam a área de superficìe “mússea” a limpar…

Espero que as minhas preocupações sejam ouvidas…

ps: Este post não pretende ferir susceptilidades. Se foi ferido use uma curita ou não o leia! O autor do post pede desculpa ao chuck norris pela piada inicial. Pode provocar tendinites. Administrar após as refeições. No caso de persistência dos sintomas consulte o seu médico ou farmacêutico. Ou o Chuck Norris, claro!