Di Jei: A profissão…

 

Caros mergulhadores de botija, especialistas na confecção de queques, homens que percebem de métodos depilatórios e pessoas no geral que só conseguem evacuar em apneia…

Como em qualquer sociedade, é fulcral toda a gente ter uma profissão. Só dessa maneira se angaria dinheiro suficiente para pagar a sport tv e a comida para a família (se sobrar). Ora, uma coisa curiosa que surpreendeu o Sr. Drácuécalo foi uma determinada profissão que parece emergir das profundidades da imaginação humana e que começa a ganhar bastantes adeptos… Antigamente, quando o Sr. Drácuécalo era um pequeno mosquito chupador de néctar sanguíneo, havia o desejo de se ser polícia, bombeiro, astronauta, professor, médico, ladrão (Esta última será a profissão com maior número de trabalhadores actualmente)… Agora há uma nova moda: ser Di Jei! E perguntam vocês com grande grau de surpresa: mas ser Di Jei é uma profissão? Ao que o Sr. Drácuécalo conseguiu apurar não só é considerado por muitos uma profissão como ainda são remunerados! Sim, porque há muitas profissões em que nem sempre o ordenado é garantido…

À parte do horário laboral que exige, há duas coisas extremamente interessantes e bizarras nesta profissão! Em primeiro lugar a postura: o di jei parece saído directamente de um filme de zombies. Está constantemente torcido e desajeitado com aquela postura de quem fala ao telemóvel segurando-o com o ombro e parece ter parkinsonismo nas mãos, em constante movimento. Porque raio seguram eles os auscultadores num só ouvido com o ombro e daquela maneira? É o chamado di jei staile (para os leitores ingleses faz toda a diferença a tradução: Dj style).

Mas a derradeira obra prima nesta profissão é o nome! No mundo empresarial do di jei, não basta ser-se o “Barnabé Almeida” ou o “Furuncinácio Semedo”… Não! É preciso marcar a diferença e aumentar o di jei staile. Isto dá origem a nomes que se confundem com marcas de produtos de WC ou mesmo de desodorizantes roll-on, senão vejamos alguns exemplos:

“DJ Da Fox” – Da quem??? Trabalhas para o canal?  Caros leitores, se acham que colocar o “Da” em substituição da palavra inglesa “the” é fixe, por favor não voltem a ler nada escrito por mim…

“Dj infected mushroom” – !!!!!! Sim, ele existe!! Quem é a pessoa sã, lúcida, sóbria e livre de drogas pesadas que se auto-intitula de “di jei cogumelo infectado”?!?! E pior, quem são os restantes seres que vão ouvi-lo?!

“Dj Tiësto” – Hmm… Eu aqui tenho alguma certeza em afirmar que é um di jei de leste nacionalizado Português e que na verdade ele queria dizer testo… Falta apurar se será de um tacho ou de uma panela…

 

P.s: Este post foi fabricado por uma empresa de mangueiras da Lapónia e não pretende  ofender, caso os haja, os senhores de nome Barnabé ou Furuncionácio de Portugal. O Sr. Drácuécalo nunca trabalhou numa lavandaria em Idanha-a-meia-idade, nem tão pouco possui uma doença que envolva flatulência permanente. Ler com patriotismo. Pode provocar rouquidão. Em caso de persistência dos sintomas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s